Óbito: António Joaquim da Silva (2018)

AntonioJoaquimdaSilvaÉ com enorme pesar que Junqueira Antiga regista o falecimento de António Joaquim da Silva, aos 80 anos de idade. Natural de Marco de Canaveses, António foi durante muitos anos fiscal dos autocarros, sendo também por isso bastante conhecido na freguesia. Era filho de António Ribeiro da Silva e de Irene de Jesus Monteiro. O funeral realiza-se amanhã, na Igreja Paroquial da Junqueira. Apresentamos a toda a família, e muito em especial aos seus filhos, os nossos mais sentidos pêsames.

Anúncios

Arca Fotográfica: o juramento de catequista (1967)

27145117_177431363013809_807657929_o

A nossa leitora Fátima Pereira fez-nos chegar esta foto, datada de 1967, que retrata o juramento de catequista. Segundo nos conta, parte substancial das meninas presentes eram do lugar de Barros. Na imagem aparece igualmente o jovem Padre Adélio Loureiro, precisamente no ano da sua chegada à Junqueira. Tendo em conta que a sua tomada de posse da paróquia decorreu a 10 de Setembro, é provável que esta fotografia tem sido tirada nos ultimos meses desse ano. Junqueira Antiga agradece a Fátima Pereira pela divulgação.

[Série 1938-1950] Rosa Marafona: de foice na mão!

Junqueira Antiga Online

Ter uma foice na mão enquanto se trava uma discussão acesa com outra pessoa nunca é bom sinal, ainda para mais se do outro lado estiver alguém com uma pedra pronta a ser atirada… A história que se conta a seguir passou-se há 64 anos, no lugar de Barros, na Junqueira. Rosa Marafona tinha um objectivo: denunciar Emília Macedo, a “Maceda”, pelo alegado roubo de mato a um proprietário da freguesia de Arcos. O sr. Torres – assim se chamava o tal proprietário – ouviu as acusações de Rosa e decidiu inteirar-se pessoalmente da situação. Para tal, deslocou-se à casa de Emília Macedo “com os melhores intuitos”. Uma vez lá chegado, a “Maceda” negou tudo e disse que o mato foi retirado de uma propriedade ali perto. Decontente com a resposta e como a “Maceda” se preparava para atirar uma pedra, Rosa Marafona respondeu de imediato lançando uma foice que tinha…

View original post mais 42 palavras

Quando o Homem não acredita no poder das fadas

Há uma crença antiga que diz que quem adormecer debaixo de uma Tília será transportado para a terra das fadas. Outra história, que vem do Norte da Europa, garante que as fadas aparecem no verão sob a copa destas árvores. Por fim, há povos que acreditam que as Tílias têm poderes mágicos que ajudam a proteger os guerreiros. Com tanta crendice e misticismo até admira terem-na deixado por tanto tempo junto a um templo sagrado como o Adro da Igreja da Junqueira. Se foi por motivos de saúde que a deitaram abaixo, compreende-se. Se não, só por crendice e misticismo é que se pode pensar que os seres humanos que habitam a terra são mais inteligentes do que as fadas.